domingo, 8 de junho de 2014

The Normal Heart (2014)


Todos se divertem na praia como se estivessem no paraíso quando, sem qualquer aviso prévio, um deles desaba de joelhos na areia, tal qual um sinal nefasto de que tudo logo iria se transformar em um inferno. É com essa cena impactante que somos introduzidos à The Normal Heart, filme da HBO que trata da luta dos homossexuais durante o advento da AIDS na década de 80. Mas resumir o filme apenas a isso seria empobrecê-lo, tendo em vista que esse é apenas o centro no qual muitas outras questões orbitam, como a omissão descarada dos governantes e as diferentes faces que essa luta adquire. Sendo a transmissão sexual uma das primeiras vias de contaminação identificadas da doença, a comunidade gay deve enfrentar a si própria ao questionar, pela primeira vez, a liberdade sexual que tanto lutou para conseguir. A escolha do elenco foi certeira. Mark Ruffallo está impecável como o incansável Ned Weeks, Juia Roberts está em um dos melhores papéis de sua carreira, Alfred Molina encarna com maestria o difícil papel daquele que ama seu irmão, mas não o vê como um igual, e até mesmo Matt Bomer, que foi claramente a escolha apelativa do elenco, não deixa a desejar. Tratando de amor, luta e luto, The Normal Heart é um filme sem final feliz cujo desfecho conhecemos desde o primeiro instante. Destaque absoluto para a cena que mostra um morto tratado como lixo. É de quebrar o coração de qualquer pessoa que tenha um.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Uma Aventura Lego (The Lego Movie - 2014)


Uma Aventura Lego é, descaradamente, uma tentativa de vender os brinquedos licenciados da marca, mas o que me surpreendeu foi o fato dessa tentativa ter dado tão certo enquanto produto cinematográfico. O longa se apropria do clichê do escolhido para contar uma história que possui a virtude de ser mais inteligente do que precisa, o que acontece, principalmente, por ela ser fiel a uma mitologia divertida e que faz todo o sentido dentro da trama. Geralmente, as vozes dos dubladores em filmes de animação são ignoradas, mas Morgan Freeman está impagável como o velho Vitruvius. O final do longa possui, ainda, uma quebra brusca e arriscada da linguagem adotada, o que poderia ter sido um completo desastre, principalmente devido à escolha do elenco, mas que eleva Uma Aventura Lego ao patamar de filmes como Toy Story. Impossível não rir ao menos uma vez. Destaque para a música Everything is Awesome, assustadoramente simples e eficiente, e para Emmet, a personagem principal cujo carisma conquistará os espectadores mais carrancudos.