sábado, 12 de julho de 2014

Malévola (Maleficent - 2014)


Confesso que, dentre todos os contos de fadas que conheço, A bela adormecida sempre foi um dos que menos gostei. A história que mistura uma roca de fiar e um improvável amor à primeira vista nunca soaram muito convincentes aos meus ouvidos. E quando a Disney resolveu, em sua empreitada de renovar seus clássicos, fazer uma nova versão de seu filme de 1959 sob a perspectiva de uma Malévola interpretada por Angelina Jolie, torci o nariz. Mas logo me rendi ao argumento, que consegue revitalizar um conto que existe desde o século XVII injetando mais complexidade e profundidade. O roteiro, entretanto, não deixa de ter buracos. O mais evidente deles é o nome da personagem principal que, embora previsivelmente humanizada no primeiro ato da trama, o carrega desde que nascera. Claro que a Disney, enquanto empresa, não poderia deixar de utilizar o nome de Malévola, haja vista que ela é, em última instância, um produto. Entretanto, artimanhas muito simples no roteiro poderiam ter resolvido esse impasse. Angelina Jolie se entrega ao papel de maneira impressionante, construindo sua Malévola com elegância e ironia, honrando a dublagem do filme de 1959 com uma entonação de voz calculada. Elle Fanning, em um papel que poderia ser um desastre, sustenta sua atuação com muito carisma. Os efeitos especiais de ponta dão conta do recado, embora muitas das criaturas reproduzidas não possuam a menor graça. Destaque para o famigerado beijo de amor verdadeiro, que aqui é reformulado radical e supreendentemente, fazendo de Malévola um filme como poucos dentro de seu nicho.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário